SIIUE Email B-ON

 

 

Skycam

 

Photo of Byron Bay - one of Australia's best beaches!

 

logo_fct

Calendário

Mies anterior Setembro 2018 Proximo mês
2a 3a 4a 5a 6a Sab Dom
week 35 1 2
week 36 3 4 5 6 7 8 9
week 37 10 11 12 13 14 15 16
week 38 17 18 19 20 21 22 23
week 39 24 25 26 27 28 29 30
Projecto Transit Versão para impressão

Visitar a página do Projecto

 

Os métodos de observação que têm vindo a ser desenvolvidos nos últimos anos são susceptíveis de descobrir planetas telúricos com massas até algumas vezes a massa da Terra (Super-terras) em torno de outras estrelas, e de determinar a sua massa e raio. No entanto, até ao momento apenas alguns modelos simplificados foram publicados com o intuito de estabelecer a relação entre a massa e o raio para planetas de massa semelhante à Terra. Importa realçar, contudo, que se desconhece a forma como estas duas variáveis físicas variam e.g. com a composição química dos planetas. Assim, uma vez que se obtenha as primeiras medidas do raio de um planeta deste tipo (usando o método dos trânsitos) é fundamental confrontar as massas e raios teóricos com os valores medidos através da observação astrofísica. Para os casos onde se obtenha informação quer sobre o raio quer sobre a massa, a comparação com os modelos teóricos poderá fornecer indicações sobre a composição e estrutura dos planetas em causa (São rochosos ou gelados ? Têm atmosfera ou não?). Para os casos onde apenas estejam disponíveis dados sobre o raio do planeta, é actualmente impossível calcular a massa dos planetas a partir da observação (ver state-of-the-art). O estabelecimento de uma relação entre a massa e o raio constitui, assim, a única forma de estimar a valor da massa de um planeta. Deste modo, a construção de modelos que estabeleçam uma relação entre a massa e o raio para planetas de massa 1-20 vezes superior à da Terra (Super-Terras) e o seu confronto com os resultados extraídos através da observação, poderá fornecer informações cruciais sobre os processos de formação e evolução dos planetas. Importa notar que numerosos instrumentos, telescópios e satélites estão actualmente a ser desenvolvidos em torno do objectivo de descobrir planetas telúricos em torno de outras estrelas (e.g. os satélites COROT (França e ESA) e Kepler (NASA)). De resto, este campo da Astrofísica tem criado pontos de contacto entre a Astronomia, Física, Geologia e Geofísica.

Neste contexto, o projecto actual pretende: 1) Utilizando a sinergia entre investigadores destes diferentes domínios, pretendemos construir modelos de relação massa-raio para planetas com diferentes composições e estruturas. Se as novas observações astrofísicas revelarem o trânsito de planetas no intervalo de massa referido anteriormente, iremos utilizar os modelos desenvolvidos para estimar quer a massa quer a composição química destes novos mundos. Alguns modelos simplificados foram já publicados utilizando a distribuição da densidade, a composição química, bem como de perfis de pressão e temperatura assumidos para a Terra como parâmetros de entrada. Tais modelos consideram, contudo, a existência de um único sistema de convecção para o manto que devem ser comparados com hipóteses mais complexas. Existem vários argumentos de natureza geoquímica e geofísica que permitem considerar a existência de duas camadas de convecção para o manto impostas pelas transições de fase que ocorrem a 670 km de profundidade.Este modelo coloca novas restrições à viscosidade do manto e ao fluxo de calor para a superfície que irão ser analisadas neste projecto. Numa segunda fase, pretendemos desenvolver modelos de relação massa-raio para planetas com diferentes tipos de composição química e de rácio gelo/rocha variável; 2) Iremos também continuar a utilizar instrumentos de alta resolução como os espectrógrafos HARPS e UVES, disponíveis nos telescópios do ESO, de forma a obter medições actualizadas dos planetas em trânsito detectados por campanhas de medição fotométrica. Continuaremos, de igual modo, a nossa participação em projectos de pesquisa de planetas de curto período (potenciais candidatos a transitar a estrela) em torno de estrelas na vizinhança solar. Nestas pesquisas serão utilizados os espectógrafos HARPS e SOPHIE (este último no Telescópio de 1.93-m existente no observatório OHP, França). Atendendo à alta precisão destes instrumentos, novas observações poderão conduzir à descoberta dos primeiros planetas em trânsito de muito pequena massa (~10 vezes a massa da Terra). Estudos paralelos sobre os planetas em trânsito e as propriedades das estrelas que estes orbitam serão igualmente realizados.

 

Equipa

Mourad Bezzeghoud - Coordenador

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar – Centro de Geofisica de Évora - Universidade de Évora

 

Nuno Miguel Cardoso Santos - Investigador

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar – CAUP

 

Bento António Fialho Caeiro Caldeira - Investigador

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar – Centro de Geofisica de Évora - Universidade de Évora

 

Nuno Pereira Santos - Bolseiro de Investigação

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar – Universidade de Évora

 

Mário Santana - Bolseiro de Investigação

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar – Universidade de Évora